quarta-feira, 12 de setembro de 2018

Kirigami

Kirigami

Miro 19.08.2018


Empírica
lírica caipira
que respira
e
nos meus olhos
recolho com medo e prazer
ao ver o verso de tua bailarina em kirigami
onde um tsunami de teus feromônios
quebra meus hormônios latinos 
onde refino intentos loucos
que pouco a pouco
 me punge
e te unge
 como musa
que me acusa inquieta
e arieta sem rumos meu barco
no arco de um vestido vermelho
rubro espelho de minha alma em tango 
um morango rubi em taça vazia de cristal
onde a tal bebida deusa nua ainda pretendida
só me foi servida em única onírica dança empírica
!!        !!
!!        !!
!!        !!

!!        !!

sexta-feira, 7 de setembro de 2018

ESMERALDA

Miro 6.9.208

Perdi minha esmeralda bruta
em uma luta sem fronteira
que atravessou os tempos
e as asas de meus anjos nus…

O mundo visto através dela
era uma tela verde de videiras
que renasciam do frio seco
em nós de gavinhas no cio…  

Agora o ar rarefeito no surto cru
cega o senso pelas narinas
com o cinza pó de gritos curtos…

E numa sombra de surdo pavio
tatuo trilhos na sanidade fria 
usando o giz do nexo absurdo…

quarta-feira, 1 de agosto de 2018

Maestro



Miro 1.8.2018

Sabe aqueles três ou quatro pomposos gestos
em que a orquestra estática fica em silêncio
admirando o regente em seus movimentos
que sincronizam sem som os instrumentos?

Sabe aquele momento que a batuta abaixa
e a música começa como passe de mágica
enchendo o ar de vibrações em harmonia
as vezes provocando tristeza, outras alegria?

É assim que me sinto flutuando no teu silêncio
esperando algum sinal de evidente afirmação
que me inspire e convide a tocar a tua canção…

E neste breve tempo tão cheio de eternos brios
fico angustiado a espera de um comando seu
esquecendo ingênuo… que o maestro sou eu!

terça-feira, 31 de julho de 2018

Minha Perdas

Miro 23.06.2018

Choro triste e sozinho
todas as minhas perdas
mesmo aquelas distraídas
que nem sabia que tinha
algumas foram só fantasias
mas todas “realmente” minhas!

Algumas delas sem dúvida
mais do que simples perdas
foram casos bonitos
afinidades sinceras
paixões incontroláveis
a até amores infinitos !

Outras não só se perderam
mas as deixei escapar
por entre o liso dos dedos
sujos pela presunção, 
ensaboadas de prazer,
ledo engano ou confusão!

E toda vez que me iludo
achando que já se foram
as vejo diante do espelho
nas lágrimas que não vejo
quando digo que nada sinto
de cada frustrado desejo!

Mesmo ainda sofrendo
eu não as abandono
eu as guardo comigo
como jóias sem preço
como buracos sem teto
no lar dos loucos apreços!

Onde nelas grudam poeiras
chuvas que nunca secam
feito lágrimas que não se vão
e que de tempos em tempos
sob a réstia de algum luar
pintam minhas dores no chão!

Aí só me resta o consolo
de cair no colo da solidão
e ouvir no silêncio da noite
as perdas deixadas no ar
até as que não tive coragem
de compor por medo de amar!     

Fina Fresta

Miro 14 de julho 

Uma fina fresta em luz
rasga a cortina…  solidão
e enche de vãs esperanças 
o quarto escuro… coração!

Expectativas brincam no pó
com cinzas cores… frustração
enquanto o Sol renasce
no espelho mar… ilusão!

São só flashes no olhar
que atraídos pela réstia
queimam o filme… viver!

E deste naufrágio sem mar
uma lágrima cria-se seca
salgada de tanto… não ser! 

Com que tinta?


Miro 17.07.2018

Às vezes penso
com que tinta 
minha história 
foi feita?

Tinha a verde
com que meu Pai
prescrevia 
suas receitas...

Lembro-me da preta
com que meu Avô 
compunha 
suas poesias...

Talvez a vermelha
com que minha Bisavó 
corrigia 
meu "escrever"...

Ou ainda a azul
com que minha Mãe
psicografava 
harmonia...

Será que importa a cor?
Se todas elas...
ensinaram-me 
a viver?

Jogo sem Cartas

Miro 21.07.2018

Como parar de te olhar
atirando-se num poço
que nós dois construímos
para um dia eu te salvar?

Como posso gostar
de viver me fazendo de moço
no velho que produzimos
para o novo em pó se acabar?

Minha dor não te conta
a tua já não me importa
e assim nossa dor ficou torta!

Teu amor me desaponta
Tu de mim diz estar farta
e o nosso jogo… ficou sem cartas!