sábado, 30 de abril de 2011

Ingênua Sanidade Social

Miro 30.04.2011
pense na pobreza como uma faca
cortando meu coração pelos campos
nas favelas em volta das fábricas
em procissão sustentando que santo?

sinta o arrepio do frio das crianças
que sem expectativas vivem de vento
fugindo de alguma dura esperança
que só traz a dor como sustento...

olhe como o craque trata as bolas
nas ruas com seus meninos bandidos
quem os baniu da pública escola
para uma sina de coito interrompido?

atente para o possível do sonho de Chê
liberdade por meio de uma luta armada?
ou o que dela ainda existe dentro de Você
em ingênua sanidade social amordaçada...

Para Fernando, último codinome de Chê Guevara na Bolívia 9.10.1967

http://www.youtube.com/watch?v=jppkff5mk34&feature=fvsr

Um comentário:

Patrícia disse...

Só seus comentários em meu blog já são poesias. Parabéns, mesmo atrasado, não esqueci!
Não pude lhe dar um abraço, mas lhe desejo muita paz, amor, saúde e continue nos presenteando com seus lindos poemas. Bjssss