segunda-feira, 21 de setembro de 2009

MENTIRA

Miro 2 de dezembro de 2008

Acreditar na incoerência alheia
Na dissonância que simplesmente vaza
Quando o outro se impõe patrão
Com alta voz de comando em mentira
É pagar o barato a peso do couro
Deixar-se incauto ao evidente logro
É colocar um colar de sujo carvão
Numa caixa feita para puros brilhantes
É enterrar a possibilidade da verdade
Em vala comum de indigentes
Ou torná-la um soldado desconhecido
Homenageada em um mausoléu sem ossos...

Um comentário:

damaria disse...

Eu tinha quando vc me avisou pelo twitter. Só que vi também essa aqui, que tinha passado despercebida no dia em que foi postada. Aí fiquei sem palavras. E continuo sem. Lidar com a mentira tem horas que é muito difícil. Vou voltar lá pra cima pra comentar a outra, porque isso aqui é assunto nada resolvido para mim.